Moralidade em um Mundo Amoral

A crise é um espelho. Isso nos mostra – se tivermos coragem de ver – quem somos como indivíduos e como sociedade. As poses autocongratulatórias de governos, políticos e instituições estatais são confrontadas com o duro teste da realidade. Cada um de nós – como indivíduos, amigos, famílias, vizinhos, comunidades – enfrenta novos e às vezes difíceis desafios.

O novo coronavírus COVID-19 é uma crise. Governos? Alguns estão bem preparados, com sólidos sistemas de saúde pública e assistência médica gratuita para todos. Enquanto isso, nos EUA, em meados de fevereiro, duas semanas após a Organização Mundial da Saúde ter declarado o novo surto de coronavírus uma emergência de saúde pública de interesse internacional, o governo Trump avançou com grandes cortes de financiamento nos programas de saúde pública dos EUA, incluindo US $ 25 milhões corte no Gabinete de Preparação e Resposta à Saúde Pública e US $ 85 milhões em cortes no programa de Doenças Infecciosas Emergentes e Zoonóticas. Em Ontário, quando o COVID-19 ocorreu, as autoridades de saúde pública estavam enfrentando o iminente corte de 27% nos gastos em saúde pública anunciados pelo governo Ford em seu orçamento. (Tardiamente, Ontário acaba de declarar um estado de emergência e suspende esses cortes – por enquanto.)

Na confusa corrida de eventos que marcam uma crise, é fácil ficar tão concentrado no que está acontecendo que esquecemos de perguntar o porquê. No entanto, é quando perguntamos o porquê que enfrentamos as questões éticas e morais que iluminam quem somos e que tipo de sociedade em que vivemos.

Por que, por exemplo, as empresas farmacêuticas estão competindo para produzir uma vacina para o COVID-19? Por que, ao invés de manter o trabalho em segredo, os cientistas de todo o mundo não estão colaborando, compartilhando suas pesquisas e disponibilizando os resultados gratuitamente? Por que essa pergunta nem está sendo feita em discurso público? Parece que devemos supor que, acima de tudo, o objetivo do trabalho científico deve ser o lucro. As autoridades do governo dos EUA já declararam que uma eventual vacina COVID-19 pode não estar disponível para todos os EUA, muito menos nos países mais pobres, porque pode ser “muito cara”.

Estamos regredindo.

As piores epidemias no Canadá e nos EUA nos últimos 100 anos foram as epidemias recorrentes de poliomielite. No Canadá, cerca de 11.000 pessoas ficaram paralisadas pela poliomielite entre 1949 e 1954. Somente em 1954, houve 9.000 casos, incluindo quase 500 mortes. Nos EUA, em 1952, houve 58.000 casos de poliomielite, resultando em 3.135 mortes e 21.269 casos de paralisia. O pesadelo da poliomielite começou a terminar quando Jonas Salk desenvolveu a primeira vacina bem-sucedida em 1955. A patente? Nenhum. Salk recusou-se a patentear sua descoberta: ele queria que estivesse disponível gratuitamente para todos.

O próprio Salk seguia os passos de Fredrick Banting, Charles Best e James Colip, as descobertas da insulina. Eles patentearam sua descoberta – e depois venderam a patente para a Universidade de Toronto, por $ 1. Eles disseram que não queriam lucrar com uma descoberta para o bem comum.

A atitude de Salk e Banting seria impensável agora. Parece que o que o capitalismo conseguiu fazer é tornar aceitável que as empresas se envolvam em comportamento, em larga escala, que a maioria de nós, como indivíduos, evitaria por uma questão de decência comum.

E, de fato, como indivíduos, como amigos, como comunidade, as pessoas continuam se apoiando e se ajudando em tempos de dificuldades. Surgem redes informais de apoio mútuo, como quase sempre ocorrem em uma crise. Além das manchetes sobre as medidas de emergência, fechamentos e distanciamento social do COVID-19, existem inúmeras histórias sobre pessoas estendendo a mão e ajudando aqueles que precisam de ajuda.

No entanto, o capitalismo nos diz, infinitamente, que o egoísmo é bom e inevitável. No lugar da moralidade, proclama uma visão amoral na qual nada importa, exceto ganhar tanto dinheiro quanto possível. A ganância é boa. Explorar outras pessoas, destruir o planeta, condenar as pessoas a uma vida de pobreza e sofrimento, tudo é bom, desde que seja possível ganhar dinheiro. O capitalismo não permite escrúpulos morais.

Embora existam alguns - muitos, na verdade – que internalizaram essa atitude, a maioria de nós não age dessa maneira em nossas próprias vidas. A sociedade não poderia existir se fossemos assim, porque precisamos um do outro. Como seres sociais, sobrevivemos e prosperamos na medida em que podemos formar e contar com relacionamentos construídos com apoio mútuo, cooperação e confiança.

O princípio moral que veio a ser conhecido como Regra de Ouro incorpora essa verdade. Versões do que chamamos de Regra de Ouro surgiram em muitas religiões diferentes, como ilustra o pôster da Regra de Ouro abaixo. O fato de fazer parte de tantas tradições diferentes nos diz que antecede essas tradições: está incorporado na própria natureza humana.

Se nós, ou pelo menos a maioria de nós, não reconhecermos o fato de que cada um de nós é digno de respeito e merece ter nossas necessidades atendidas, não poderíamos sobreviver como espécie social. Ao mesmo tempo, se tratar os outros como nós mesmos gostaríamos de ser tratados sempre foi perfeitamente natural e automático, não precisaríamos de uma regra de ouro. Não temos uma regra que nos diga para respirar. Nós apenas fazemos isso.

Uma das coisas que a existência da Regra de Ouro nos diz, então, é que nós, seres humanos, somos imperfeitos e cheios de contradições. Mesmo quando sabemos o que devemos fazer, às vezes deixamos a desejar e precisamos ser lembrados ou responsabilizados. É por isso que, sem dúvida, as discussões sobre a Regra de Ouro enfatizam com tanta frequência compaixão, perdão e segundas chances. Reconhece que há momentos em que precisamos perdoar e momentos em que precisamos ser perdoados.

Ao mesmo tempo, nenhuma regra, por mais profunda que seja, substitui o pensamento crítico sobre situações da vida real. Por exemplo, poucos de nós aconselhamos uma mulher em um relacionamento abusivo a retornar ao seu parceiro violento e dar-lhe uma segunda – terceira – quarta – quinta chance. Há momentos em que a raiva é uma resposta mais saudável do que dar a outra face.

De fato, há ocasiões em que, quando confrontados com as complexidades da vida, também podemos ter em mente o ditado contrário de George Bernard Shaw: “A regra de ouro é que não existem regras de ouro”.

Nem a Regra de Ouro, por si só, nos guia no trato com aqueles que têm poder sobre nós, especialmente quando esse poder é exercido para oprimir. Para lidar com eles, precisamos recorrer a outra parte de nossa natureza humana: nosso impulso de nos unirmos e nos apoiarmos na luta por justiça. Como Cornell West disse: “Justiça é como o amor se parece em público”.

O surto de coronavírus é uma crise que nos desafia a olhar além das nossas preocupações imediatas e nos perguntar em que tipo de mundo queremos viver. Não temos muito tempo: as mudanças climáticas farão com que esse vírus pareça um piquenique.

Mas temos algum tempo agora, porque muitos de nós tiveram nossas vidas em espera. Vamos tentar usar esse tempo da maneira mais construtiva possível.

Há coisas que podemos fazer para ajudar, como doar dinheiro, mesmo enquanto estamos nos isolando. Há pessoas que enfrentam esse vírus – e outros desastres simultâneos de saúde pública, como a malária, que mata 3.000 crianças todos os dias – em condições infinitamente piores do que nós. Pense no Iêmen, Gaza, Congo. Venezuela e Irã estão tentando lidar com seus surtos, mesmo enquanto os Estados Unidos estão reforçando as sanções contra suprimentos médicos e humanitários.

Eles precisam de nossa solidariedade ativa.

Por favor ajude. E fique bem!


Ulli Diemer

Ulli Diemer é um escritor e arquivista que vive em Toronto, Canadá.


This article is also available in English, Bulgarian, Spanish, and Vietnamese.